quinta-feira, 7 de abril de 2011

Vai um trote aí?

E aí pessoal? Tudo bem?

O tema de hoje é cair em provocação. Para abordá-lo, vou usar um assunto que já divertiu e irritou muita gente: o trote telefônico. Dia desses, ouvi uma frase inusitada: o trote está chegando ao fim. Aquele trote divertido e inofensivo, praticado muitas vezes por uma criança, não existe mais.

Para comprovar o fato, basta você, que tem mais de 20 anos, traçar um paralelo em relação ao número de trotes que passou na infância em relação aos que recebeu nos últimos anos. Eu, particularmente, durante a minha infância e adolescência, boa parte das vezes que atendia ao telefone era para responder se havia um caminhão de gelo em frente à minha casa. E para não ser marcada como a pessoa que caiu na provocação, a melhor tática era sempre bancar o “to nem aí”.

Encontrar alguém que se irrita, apela e esbraveja é a maior conquista de quem pratica o trote. Certo dia, quando nem sonhava em ser jornalista, liguei para um número qualquer e consegui convencer o cara que ele participava de um programa de TV e tinha acabado de ganhar R$ 10 mil. Só deu certo porque falei que o programa ela gravado e não era da TV aberta. E a minha maldade não parou aí, dei um endereço bem distante para ele ir buscar o prêmio. Para a minha sorte ele nem cogitou a hipótese desse dinheiro ser depositado. Depois de rir muito ao desligar o telefone, a consciência falou mais alto e liguei novamente, explicando que se tratava de um trote. Confesso que desliguei antes de ele ter a oportunidade de falar alguma coisa, mas posso até imaginar os nomes “carinhosos” que ele deve ter dirigido a mim, com toda razão, é claro.

Com isso, fica a pergunta: se adolescentes desocupados e pessoas sem malícia ainda existem em qualquer lugar, porque os trotes estão cada vez mais escassos? Para mim, esse fator está ligado à Internet. Aqueles pirralhos que passavam trotes, agora usam as redes sociais para tumultuar e levantar a polêmica.

Hoje, qualquer besteira falada na Internet gera inúmeros comentários e discussões. Aliás, algumas besteiras ditas no mundo virtual podem render até fama aos respectivos inventores. Já o trote telefônico rende apenas a singela satisfação de ter feito alguém de bobo, a platéia resume-se apenas ao pequeno público que por ventura esteja ao seu lado.

Um comentário:

  1. Eu curtia apertar a campainha e correr,ficar ligando e perguntanto : - Oi aí tem um carro verde na frente ? - Não!
    - Então deve ter ficado maduroo,hahahaha
    Hoje em dia tá osso,mas acredito que a sociedade tá muito séria!

    ResponderExcluir